Pesquisar

M u l t i f a c e t á r i a

Escritos, Sons, imagens e outras experiências de Brenda Mars

En la tierra del Sol

Imersiva / In-SUR-gente en la tierra del Sol

Muy intensa experiência de lanzamiento del libro, charlas con artistas y activistas, periodismo cultural e happening. En apenas 3 días, con muchas vivencias…
16 a 19 de marzo

Hoje somos todas #8M

Hoy todas somos #8M

Comparto un reportage que el portal Somos Iberoamerica ha hecho con 8 mujeres de la música. Soy una de estas 8 mujeres.

http://somosiberoamerica.org/temas/musica/con-voz-propia

Brenda Mars, Brasil.

Una de las cosas que ya he enfrentado que demuestra un prejuicio de género es cuando dicen por ejemplo acerca de mi banda “Até que elas tocam bem…”. En el campo de la poesía, que es otra parte de mi trabajo, no veo tanto prejuicio como en la música, principalmente con el rock, que es el principal ritmo que toco hace 20 años. Además de hacer mi trabajo como artista, soy activista por los derechos de las mujeres.

Soy multiartista (de la música, literactura, fotografia y performance), también madre, productora cultural y periodista. Muchas veces es necesario estar trabajando 12 horas al día y aún se tiene diferencia salarial si comparamos con el sueldo de algunos hombres, y también hay dificultad en algunos espacios simplemente por ser mujer.

Como presidenta del Instituto Imersão Latina, los derechos de las mujeres es siempre una temática. Hemos publicado cinco livros/antologias de poesías de cooperación entre hombres y mujeres, de muchas voces y la voz de las mujeres está muy presente. Yo ha creado una personaje, “La Mujer Poliglota / A Mulher Poliglota” que es un poema proceso, ya he pasado por muchos países presentándolo. Uno de los versos dice: “A mulher muda não muda nada, falar ferve da verve feminina. A mulher não pode se calar, para o seu direito não evaporar”.

Cáustica lança EP Liberdade Só

Insira uma legenda

A edição 2017 do Projeto Elas, começa no próximo dia 3 de março, sexta-feira.

A Cáustica aposta no lugar fronteiriço entre o rock e outras vertentes musicais e artísticas, em busca de uma sonoridade própria com letras poéticas e até mesmo politizadas. Há sete anos na estrada, a banda mineira já tocou em vários festivais e teve trocas intensas com artistas de várias partes do mundo.

A formação atual traz Bárbara Lopes, no vocal e na percussão, Brenda Mars na bateria e vocais, Débora Coimbra no baixo e na voz e Rafhael Braga na guitarra e vocal.

A banda carrega consigo alguns ideais e causas como a liberdade de expressão, além do feminismo que sempre foi uma bandeira, lutando contra a desigualdade e mostrando também que a causa maior é questão de atitude e não gênero. O processo de criação sempre agrega novas pessoas: produtores, músicos, poetas, performances e artistas visuais.

O show pelo Projeto Elas marcará também o lançamento do mais recente EP da Banda Cáustica, de nome “Liberdade e Só”, que contém quatro novas músicas gravadas com diferentes participações, o que confirma uma característica muito própria dabanda de sempre inovar e surpreender.

Os 100 primeiros a adquirirem os ingressos receberão de brinde o referido disco da Banda.

Entradas a preços populares: R$14 (meia) R$28 (inteira)
Pelo site http://www.compreingressos.com
e nas bilheterias do Cine Theatro Brasil

Projeto Elas apresenta
BANDA CÁUSTICA
Show: Liberdade e Só
Lançamento do novo EP da banda
Dia 3 de março – 20:30h
Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil

De volta à pangeia

mapa-mundi-maca_pangeiaQuem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções.

Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante.

E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes.

E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos….

desnaturalizados1
Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques

*Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: contato@imersaolatina.com ou whatsapp (31) 988119469 que envio pelos correios após depósito no valor de R$ 20,00 para todo o Brasil). As vendas são destinadas à manutenção de atividades de literatura do Instituto Imersão Latina.

Saiba mais: imersaolatina.com

 

Aspectos Urbanos expõe artes visuais e poesia em Ouro Preto

3-cartaz-certificado-de-participacao2-convite-a

Experimentando o novo…

Hoje ganhei 2 agendas de 2017: uma para o trabalho e outra para as viagens (seja na escrita ou para os destinos que me esperam). Rapidamente joguei a de 2016 fora e comecei a folear as páginas desejando que cada novo dia traga uma essência do que busco…um passo a mais na caminhada de um horizonte com mais esperança e canto. Mas não faltam dois dias para acabar o ano? Pelo calendário pode até ser, mas para mim já deu. Então que venha ano novo! Te desejo como um banho de cachoeira que refresca no calor, um vinho que fica na lembrança, uma viagem que a gente faz as malas feliz por já seguir…

Brenda Mar(ques) Pena

Um ano novo de contos DESnaturalizados

Para fechar este ano de 2016 deixo com vocês um dos contos que fazem parte do meu novo livro. Sintam um pouco do gosto das palavras deste universo de realismo mágico de DESnaturalizados!

Nova Aurora
Por Brenda Marques Pena

Papéis empilhados, prosas em linhas não-lineares e ditos registrados na bagunça do quarto. Assim, Aurora se encontrava com os pensamentos dispersos depois de um ano inteiro.
Naquele instante ela sentiu como se estivesse empilhando memórias de um tempo que só voltará na lembrança.

Intrigada com tanta recordação resolveu descartar algumas. Para isso, pegou uma sacola pequena e começou pelos papéis menores: recados, telefones de desconhecidos, cartões de visita, comprovantes de depósito de caixas eletrônicos. Aos poucos, a sacola foi se enchendo e ela acabou precisando pegar uma maior. Antes, ela deu uma pausa para olhar para a janela e viu que o sol se despedia da montanha.

As cores do céu fruta-cor, os pássaros se recolhendo em seus ninhos e poucos carros passando na rua no feriado da paz universal. Com o chegar da noite seus pensamentos voltaram em forma de papéis, presentes de amigos, livros e retratos. Então ela buscou um saco bem grande.

Ao olhar para o armário, hesitou por um instante e uma súbita vontade lhe invadiu: quis guardar tudo, esconder para sempre cada papel, com temos de ao desfazer-se deles, fosse apagando aos poucos as lembranças e se tornasse capaz de recordar as vivências.

Desta feita, ela respirou fundo, olhou de lado para o armário aberto para não mudar o que já estava decidido, afinal precisava dar espaço para o novo: ano novo, novas amizades, novas vivências. Assim, ela conseguiu retomar sua seleção e foi jogando fora cada papel inútil agora, cada cartaz de show, convite, começando pelos que não pode ir, ainda que aquela fosse a única prova da existência de determinados eventos.

Depois de uma longa jornada de reciclagem das ideias, Aurora estava exausta. Vários sacos estavam cheios à sua volta. Enfim, os espaços tinham sido criados para as novas experiências. Dormiu no meio do quarto. Quando no outro dia ouviu o caminhão de lixo chegar, hesitou mais uma vez em entregar suas lembranças, mas resistiu, entregou as sacolas para o lixeiro sorrindo e disse:

– Feliz ano novo!

(Este é um dos contos que integram o meu novo livro: DESnaturalizados. Espero todos que amigos que vivem ou que estiverem em BH para o dia 7 de janeiro – um dia depois de eu soprar duas velinhas de 18 anos, afinal estarei fazendo 18 em cada perna…)

“Valparaíso será meu destino fechando o ciclo do ano 2016 e percutindo boas vibrações para 2017 na Folk Marathon”
Brenda Mar(que)s Pena – baterista, percussionista e compositora da Banda Cáustica

https://www.facebook.com/events/289457001438179/

folkmarathon_programapercussao_brendamars

Noite de Poemia na Casa dos Jornalistas

Na próxima quarta, 21 de dezembro, a partir das 20 horas vai ter lançamento do livro Poemias, de Vicente Ferrer, com sarau Nós da Poesia, performances, mostra de artes e música com a banda Cáustica, Cláudio Carvalho e DJ Fat Monkey! Muita arte misturada, do jeito que a gente gosta com bar vendendo comidas e bebidas pra gente brindar esse ano! Não dá para perder! Entrada: R$ 10 reais.

Confirme o evento no facebook e compartilhe:https://www.facebook.com/events/1283846271676399/

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑