WhatsApp Image 2020-04-17 at 08.26.16Não deixem de conferir meu canal de áudio: soundclound.com/brenda-marques-pena onde posto poemas orais, sonoros.

Entrevista com Adriana Queiroz na íntegra:

Adriana Queiroz: Você era uma das atrações do Animarte em Montes Claros. E com a pandemia, houve o cancelamento do evento. O que tinha preparado?

Brenda Marques: Estava tudo pronto para eu que sou de Belo Horizonte viajar para Montes Claros no final do mês de março para participar do AnimArte, mas a pandemia chegou antes e atrapalhou a viagem e o evento precisou ser adiado. Não foi um cancelamento, mas sim uma necessidade de espera de uma data viável. Tinha preparado uma apresentação do Duo Sussurros, minha com Élcio Lucas, que é aí de Montes Claros e juntas fazemos um espetáculo bem interativo com música, poesia e performance. A apresentação seria em homenagem às mulheres na vernissage de uma exposição de artes plásticas que estava sendo preparada com várias artistas no Ateliê da Felicidade Patrocínio. Também daria um curso sobre Poesia Sonora voltado para poetas, artistas da música e do teatro, mostrando como este tipo de poética integra estas artes e traz o som como uma imagem potente, é como construir metáforas por meio das sonoridades. Há tantos sons que passam despercebidos por nós e podem ser elementos de uma poética que leva em conta paisagens sonoras e até mesmo sons internos que todos nós temos, é só aprender a escutar e com criatividade criar poemas a partir deste processo. E por último ainda faria a performance Tsunâmica, que tenho apresentado desde o ano passado por vários lugares: Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Equador e Chile.  A última vez foi no Psiu Poético Beagá, no dia 14 de março, pouco antes do fechamento dos espaços culturais de Belo Horizonte por causa da pandemia. A apresentação traz  a potência do corpo e energia feminina. Estava programado para a abertura do show do Élcio Lucas e Banda.

Adriana Queiroz: Mudanças causadas pela Covid-19 inspiram ensaios fotográficos,  vídeos, shows, que chegam ao público de maneira positiva. O que tem feito nestes dias de isolamento?

Brenda Marques: Na sexta-feira completarei 30 dias de confinamento, em casa, quando sai poucas vezes pra ir à farmácia, ver rapidamente meus pais que moram perto da minha casa e ajudá-los com necessidades básicas, afinal é um período que temos muito que nos apoiar e o cuidado com os de mais idade tem que ser prioritário, já que são grupo de risco. Tenho feito um diário com dicas culturais que compartilho no meu facebook.com/brendamarquespena desde o primeiro dia que estou em teletrabalho. Tenho criado muitas poesias, gravado e compartilhado áudio de poemas no meu canal soundclound.com/brenda-marques-pena e aproveitado para conferir shows virtuais, ver muitos documentários de música, filmes e passando um tempo com a família. Acho que este tempo seria duro sem minha filha Dakota, que tem 7 anos e pinta o 7, nos alegrando muito. Ela fica feliz em estar mais tempo comigo. Por outro lado, foi um período triste de cancelamentos e adiamento de eventos, tinha seis agendas de eventos que foram canceladas em março, abril e maio por causa da pandemia.

Adriana Queiroz: Nestes tempos difíceis de isolamento de coronavírus, qual é a mensagem que você deixa para os leitores de O Norte?

Brenda Marques: O que podemos fazer é ter bastante paciência e aproveitar para ler muito, fazer o que gosta em casa e também nos comunicarmos virtualmente. Nós estamos separados por hora e quanto mais nos isolarmos agora, estaremos em breve juntos. Aproveitemos para aprender com este momento que tem muitas lições para a humanidade. Podemos aprimorar nós mesmos sempre. Seja solidário. Há muita gente que precisa de apoio e uma ligação, um carinho, mesmo que virtual, faz muita diferença!

Adriana Queiroz:
A declamação de um texto reflexivo, nos distrai, ajudando nossa saúde mental e trazendo a todos um pouco de alívio e esperança.  Tem algum aí (parte de algum) para nos presentear?

Brenda Marques:Deixo aqui um poema meu que integra a antologia Vamos Triunfar, que vai ser publicado pela editora Pragmatha este mês de abril, em especial para incentivar a superar este período de isolamento social. Penso na Pangea, quando não havia a separação dos continentes e com imaginação podemos nos conectar sempre e sentir este calor e vibração de quem amamos.

De volta à Pangea

Quem sabe a arte console hoje
todos os corpos solitários
Carentes da real beleza muda
Dos materiais e cores dos sonhos
Intocáveis desejos do querer
Deja vu de emoções
Lembranças que não partem
Tomem um chá comigo hoje
Amigos e amantes distantes
Vamos voltar à Pangeia
Quando não havia essa divisão
Entre países nem continentes
Vamos viajar ao centro da Terra
Provocar a erupção de mil vulcões
E deixar a lavra do amor
Queimar nossos corações..
.
Brenda Mar(que)s Pena

Hoje compartilharei este poema em áudio no soundclound.com/brenda-marques-pena, especialmente para os leitores do jornal O Norte e para a colunista Drika que sempre tem apoiado os artistas da AnimArte, divulgando trabalhos tão ricos.