Carreata monocromática

Para que servem as cores
Se tudo o que vejo é “noir”
Neste filme monocromático?

Só os tons me representam
O dia está belo e claro
A noite escura é linda
Turva amanheço
Até o olho desembaçar
Mas ainda sem enchergar.

As nuances da vida
não existem neste mundo de concreto
Onde viadutos e ruas são a paisagem
E as passarelas deixam-nos caminhar por elas
A imaginar quando tudo em volta era uma floresta
e o verdume das folhas se intercalava às flores
vermelhas,
amarelas
e roxas
 a atrair o vôo dos pássaros coloridos
em um ar puro sem a poluição dos carros.

Brenda Mar(que)s Pena
21 de setembro – Dia mundial sem carro

Anúncios